Últimas Postagens

A história da Gaita de Fole

By 12:54

A Gaita-de-fole parece encontrar o seu espaço de difusão primordial a partir da expansão dos povos pastoris do Mediterrâneo ou da Ásia, visto tratar-se de um instrumento profundamente associado ao contexto sócio-econômico pastoril - basta pensar que os foles são feitos geralmente com peles de animais de pastoreio, que também serviam para fazer recipientes para líquidos ou grão (odres) - sendo em redor do espaço mediterrânico que se encontra a maior variedade de modelos de instrumentos deste tipo.

Todavia, é preciso ter em conta que o uso de odres (sacos flexíveis de pele) era muito usual no mundo antigo e não se limitava aos povos pastoris. Muitas culturas urbanas usavam-nos para  transporte de água, vinho, óleos, cereais ou grão. Ou seja, os pastores poderiam ser os principais fornecedores, mas não os únicos utilizadores dessa tecnologia.
Isto significa algo muito simples: o instrumento Gaita-de-fole pode ter surgido em qualquer contexto, em qualquer parte do Mundo e provavelmente, até em vários sítios ao mesmo tempo.


É a Idade Média, no entanto, a época que aparenta ter sido o período de maior expansão e popularidade do instrumento - é aí que surgem com mais frequência as representações de pastores em cenas de Natividade, quer em pintura, iluminura ou escultura, onde se encontram figuras de gaiteiros, por exemplo, para além de outras referências.
A ausência total de iconografia ou de vestígios arqueológicos anteriores à Idade Média, não ajuda a determinar de forma precisa onde e quando terá surgido um instrumento deste tipo e que aspecto terá tido.

Esta circunstância tem permitido a difusão de mitos recentes referentes à sua origem, os quais têm vindo a ser intensamente propagados, nomeadamente os que atribuem ao instrumento uma obscura origem “celta” ou “céltica” - entendida em arqueologia como as culturas dos sítios de Hallstat (1000 A.C., atual Áustria) e La Téne (500 A.C., atual França).
Na verdade, esses mitos são infundados, contraditórios e carecem de fundamento histórico, pois não existem, em qualquer parte do mundo, quaisquer testemunhos, vestígios arqueológicos ou documentação que provem a presença de um instrumento desse tipo nesse período e nessa cultura concreta.


Fonte: Globo
Existem, contudo, relatos escritos de cronistas da antiguidade: Gaio Suetónio Tranquilo, um cronista romano ("De Vita Caesarum", 200 DC) refere uma promessa do imperador Nero de tocar "Utricularium" - um instrumento que se presume que seja uma gaita-de-fole. Dio Crisóstomo, um cronista Grego, refere na sua "Oratoria" (200 DC) um instrumento musical que possuiria um saco debaixo da axila (um possível fole?) e ainda Procópio (500 - 565 DC), um cronista Bizantino, faz referência ao uso de presumíveis gaitas-de-fole nas legiões romanas, na sua obra "De Bello Gothico" (que relata as guerras romanas com os povos germânicos, já no final do Império Romano).
Todas estas referências, no entanto, não podem ser interpretadas  literalmente e infelizmente, também não descrevem as características exactas de tais instrumentos musicais - o que não ajuda a definir do que se tratariam de facto.






Apesar de existirem referências escritas e iconográficas de outros instrumentos (aerofones de metal, flautas, percussões, etc.), sobretudo também em documentos romanos e gregos, não surgiu até hoje qualquer referência à gaita-de-fole nas culturas ditas "célticas", nem de fontes oriundas desses povos, nem de fontes exteriores que se refiram a eles.
Portanto, qualquer atribuição da origem ou presença da gaita-de-fole nesse contexto não pode ser sustentada, até prova em contrário
.



Fonte: gaitadefoles.net

VEJA TAMBÉM

0 comentários

Críticas construtivas serão sempre aceitas, mas comentários com palavrões/chingamentos serão automaticamente excluídos!