Últimas Postagens

Detentas recebem alvará de soltura durante culto

By 21:03

Enquanto várias presidiárias oravam, louvavam e choravam com o Grupo de Evangelização Carcerária da Igreja Mundial do Poder de Deus, durante um culto numa manhã de sexta-feira no pátio do Centro de Detenção Provisória Feminino de Franco da Rocha, Grande São Paulo, a detenta Raquel Baivior, de 43 anos, chorava e sorria ao mesmo tempo quando recebia o alvará de soltura da Justiça de São Paulo. 

Presa, há um ano e oito meses, em regime fechado por tráfico de drogas, Raquel declara que foi um período muito difícil enfrentar a reclusão na penitenciária durante todo esse tempo. Alegre em receber a notícia exatamente naqueles instantes, Raquel saiu rapidamente do raio oito para ir para casa e encontrar os seus familiares. Segundo ela, a sua primeira visita seria para a filha (12 anos de idade) que mora em um abrigo. “Não vejo a hora de ver o rostinho dela e ficar em sua companhia novamente. Estou com muitas saudades”, declarou bastante emocionada em entrevista à jornalista Madalena Mattos, que estava no local e acompanhava o culto ministrado pelo pastor e cantor Filipe Tomaz Rocha, a missionária Camila Tomaz Rocha, sua esposa, e o Grupo de Evangelização Carcerária, que se dividiu em três equipes para evangelizar em três raios diferentes dos oito existentes no presídio.

Enquanto acompanhávamos o culto no raio oito ministrado pelo pastor Filipe Tomaz, o pastor José Dalton, a missionária Silvana Bruno, sua esposa, e sua equipe de fé realizavam paralelamente um outro círculo de oração no raio seis da penitenciária, quando mais uma detenta ganhava a liberdade. “Foi muito emocionante a libertação desta presidiária também. Ela chorava muito ao comemorar a sua liberdade novamente”, contou a missionária Silvana Bruno para esta reportagem.

Para o pastor Filipe Tomaz Rocha, que pregava e louvava com o seu violão pendurado no pescoço no raio oito, onde Raquel recebeu o alvará de soltura, o dia estava com muita unção. Com muita fé, louvor e oração para as detentas que não paravam de chorar, ele declarou: “Deus está transformando muitas vidas aqui hoje”.

Força e esperança

Lilian Bondade Pinheiro, de 29 anos, que é casada e tem um filho adolescente e dois pequenos, foi sentenciada por cinco anos de prisão por tráfico de drogas. Durante esta reportagem, Lilian declarava em lágrimas que os cultos que os pastores e a equipe de fé realizam constantemente na penitenciária renovam as suas forças e esperanças. “A minha mãe e o meu marido vêm me visitar, mas a maioria das famílias sentem vergonha de nós, e por isso muitas presas perderam as esperanças, mas quando os pastores vêm com o grupo deles orar por nós, a angústia e a tristeza vão embora. Às vezes, só em recebermos um abraço, um sorriso, a solidão desaparece. Nos sentimos muito sozinhas”, destacou. Ela ressalta que já foi abençoada pelos cultos que o grupo da Igreja Mundial do Poder de Deus realiza sempre na penitenciária. “A minha pena já diminuiu um ano e oito meses, e por isso creio que vou sair logo daqui”.

Após a realização dos cultos, que também contou com o presença do pastor Manoel Barros de Oliveira e a missionária Estelita Dias de Oliveira, sua esposa, todos os três grupos de Evangelização Carcerária distribuíram Bíblias, o Jornal Fé Mundial, a Revista Mundial Sem Limites e centenas de toalhinhas ‘Sê Tu Uma Bênção’ para cada presidiária. Segundo a detenta Nádia Solange, de 43 anos, ela recebeu várias bênçãos de cura apenas em colar a foto do apóstolo Valdemiro e da bispa Franciléia na parede do local onde dorme. “Meu sonho é dar um abraço no apóstolo e na esposa dele. Eu amo muito esse casal”, destacou. 

Seção de Cartas

O pastor José Dalton e a missionária Silvana Bruno, responsáveis pelo Grupo de Evangelização Carcerária da Igreja Mundial do Poder de Deus, recebem centenas de cartas diariamente, e avisam que todos os presidiários podem continuar pedindo orações. O endereço para as correspondências fica à Rua Caetano Pinto, 584 – Brás – CEP - 03041-100 – São Paulo/SP. 

VEJA TAMBÉM

0 comentários

Críticas construtivas serão sempre aceitas, mas comentários com palavrões/chingamentos serão automaticamente excluídos!