Últimas Postagens

Jovem vence vícios e nasce de novo após acidente de moto

By 21:03

Daniel de Castro Mori, 28 anos, casado, pai de uma menina de três anos, morador de Cachoeira Paulista, interior de São Paulo, usou drogas e bebidas alcoólicas durante muitos anos. "Fui usuário de cocaína desde 2007, quando ainda era bem novo, bem no início do meu casamento. Também era viciado em bebidas, tomava muita cerveja e fumava muito. Foi um período bastante difícil, onde sofri demais", contou. "Toda vez que eu saía, arrumava brigas, confusão, e ninguém conseguia me conter. Minha esposa sofreu demais. Eu saía e a deixava sozinha. Só voltava para casa dois dias depois", contou o jovem que hoje é obreiro da Igreja Mundial do Poder de Deus. 

Além de usar drogas, Daniel ainda andava armado. "Quando eu chegava nos lugares todo mundo se afastava de mim, mas eu me achava o máximo. Logo entrei para o mundo do crime e conheci vários traficantes. Comecei a deixar meu mundo de lado e entrar em um mundo totalmente obscuro. Cada vez me afundava mais, mas mesmo assim eu achava que estava certo com vida que eu levava".

Daniel conta que pouco antes de entrar no mundo das drogas, quando era viciado apenas em bebidas alcoólicas, conheceu a Igreja Mundial do Poder de Deus pela televisão. "Um certo dia, quando cheguei de madrugada em casa, mudei de canal e vi o apóstolo Valdemiro pregando. Gostei tanto, que a partir deste dia comecei a assistir direto. Neste tempo eu apenas bebia, ainda não tinha me envolvido com drogas", frisa. "Comecei a frequentar a Igreja Mundial de Guaratinguetá – interior de São Paulo - todos os dias, e minha vida começou a mudar. Arrumei um bom emprego, mesmo sem ter experiência. Comprei uma moto nova e passei a ser dizimista fiel, só que sete meses depois que estava frequentando a igreja, acabei me afastando. Achei que já tinha tudo, e resolvi partir para as coisas do mundo novamente".

Só que o mundo que Daniel optou, desta vez despencou. "As coisas pioraram. Comecei a faltar no emprego e comecei a deixar minha esposa sozinha desesperada em casa. E eu era recém-casado nessa época. Acabei me envolvendo com as drogas novamente", destaca. 

Mas no dia 13 de janeiro de 2011, quando Daniel estava voltando de um lugar onde frequentava para usar drogas, sofreu um grave acidente de moto. "Bati a moto na via Dutra, próximo à Cachoeira Paulista, por volta de uma hora da madrugada. Não me lembro de nada. Estas informações eu recebi dos médicos. Disseram que fui encontrado caído embaixo de chuva, cerca de cinco horas após o acidente. Um caminhoneiro me encontrou e chamou a Nova Dutra (resgate). Fui levado para um hospital na cidade vizinha de Lorena - interior de São Paulo. Lá, Deus foi tão misericordioso, que quem me atendeu foi um médico conhecido do meu pai, lá de Cachoeira Paulista. Eu estava irreconhecível, mas ele me reconheceu por meio do meu RG, e imediatamente chamou o meu pai”.

Após ser transferido para o Hospital de Taubaté com traumatismo craniano, hemorragia interna e apenas com 3% (três por cento) de chance de sobrevivência, Daniel conta que já tinha parentes à sua espera. "Precisava ser operado às pressas, mas como era usuário de drogas e bebidas não poderia, porque a anestesia não faria efeito. Mas como em um milagre, ao fazer exames, não encontraram nenhum tipo de tóxico ou bebida alcoólica no meu sangue. Isso era praticamente impossível, já que eu tinha usado drogas e bebido até a hora do acidente. Os médicos acharam impressionante, porque a droga permanece no organismo por até sete dias", explica.

Fé restaurada:

Daniel conta que permaneceu 28 dias em coma numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em estado grave, sem previsão de alta, e com possibilidade de falecer a qualquer instante, mas graças ao bom Deus, ele sobreviveu. “Ao contrário do que os médicos diziam, não fiquei com nenhuma sequela". O jovem relatou que, a pedido de seu pai, sua esposa foi até a igreja Mundial para pegar uma “toalha ungida” e levar até Daniel. Como sua esposa estava grávida de quase nove meses e não podia entrar na UTI, a mãe de Daniel colocou a “toalha ungida” ao lado de sua cabeça, e assim que saiu do coma e foi transferido para o quarto, Daniel começou a assistir novamente aos programas da Igreja Mundial. "Meu pai colocou um pequeno aparelho de televisão no quarto que eu estava e eu ligava todos os dias na programação da igreja. Com isso, a minha fé começou a voltar, e consegui mexer o corpo, e aos poucos fui melhorando. Até o dia que levantei da cama e comecei a andar. Depois fui transferido para um hospital de Guaratinguetá, onde fiz vários tratamentos. Depois de dois meses tive alta". 

Após dez dias de alta, já em casa, no dia 19 de março de 2011, a bolsa de sua esposa estourou e nasceu sua filha Mariane, hoje com três anos. "A partir deste dia voltei a frequentar a Igreja Mundial, pois tenho certeza que recebi um milagre. Uma das sequelas era para eu ter ficado cego, e não poder ver o rosto da minha filha, mas Deus foi maior e não permitiu que isso acontecesse comigo. Pude ver minha filha nascer e estar com ela todos os dias, graças ao meu bom Deus".

Hoje, Daniel é obreiro da Igreja Mundial do Poder de Deus de Cachoeira Paulista ao lado de sua esposa, Adriana da Silva de Castro Mori, de 24 anos, também obreira. "Graças ao Senhor, estou liberto ao lado da minha família. Só tenho que agradecer", finalizou.

VEJA TAMBÉM

0 comentários

Críticas construtivas serão sempre aceitas, mas comentários com palavrões/chingamentos serão automaticamente excluídos!